Entrevistas | Histórias de Sucesso

Maria Natália João: Sempre Tive Uma Força Interna Que Me Movia a Fazer as Coisas Acontecer

Maria Natália João é a nossa entrevistada para a rubrica de histórias de sucesso desta semana.  Uma jovem empreendedora, dinâmica, e sonhadora, parece ter a combinação perfeita de uma grande empreendedora.

Nesta entrevista conversamos com ela para percebemos melhor qual é a sua motivação empreendedora, e quais os seus sonhos. Conseguimos captar alguns aspectos fundamentais para que alguém saiba se posicionar no mercado e se destacar face à concorrência.

Leia para saber mais.

#1 Quem é a Maria Natália João e o que faz?

Sou uma jovem empreendedora criativa, estudante de Economia, escritora, gestora de eventos e potencial saxofonista.

Sempre fui uma mulher estudiosa e me destaquei como um das melhores estudantes em todas as instituições educacionais (com diploma de mérito). Visionária, flexível e muito dinâmica, tenho aspirações ambiciosas, sonhos altos e uma veia para a ala dos negócios.

Para além das boas habilidades de comunicação resultantes do trabalho em grupos e comunidades e participação em palestras e conferências, sou um painelista em programas de TV e actualmente dirijo um negócio como Mestre de Cerimónias, Assessora de Comunicação e Mediadora de Eventos na minha recente empresa MNJ Eventos & Serviços, E.I. e na respectiva filial MNJ Corporate onde sou Fundadora e Directora Executiva.

Estou dotada de habilidades organizacionais e de liderança adquiridas como representante de equipes de trabalho a nível académico, religioso e social, onde colecto informações sobre as várias preocupações que afligem as mulheres. Tendo esse horizonte de experiências e ganhando cada vez mais conhecimentos com dinamismo, curiosidade e trabalho, reuni forças para abrir a empresa e prosseguir com os meus objectivos como empreendedora, também focada no lado feminino, principalmente na igualdade de género. Como painelista em programas de televisão em diversos tópicos, sou porta-voz para as questões de cômputo social, aspirante feminista no Movimento Feminista chamado Graal (Movimento Internacional de Mulheres Cristãs) e defensora dos direitos dos estudantes como chefe de Departamento de Administração e Finanças da UNE (União Nacional de Estudantes).

É-me extremamente importante ser a porta-voz das mulheres no meu país, uma vez que estamos em uma sociedade naturalmente machista devido aos valores culturais que nos foram impostos e, tentando mostrar uma abordagem diferente para os pilares do mundo -As Mulheres- é muito motivador, desafiador e, acima de tudo, gratificante, quando observamos uma crescente abertura de espaço para a integração das mulheres a ser materializada.

Tenho também a capacidade de desenvolver relações em diversas áreas e lutar pela independência através da minha própria iniciativa. Por isso, fui convidada para o Conselho de Administração da ANJE (Associação Nacional de Jovens Empresários), sendo responsável pela co-concepção e implementação de actividades focadas em projectos relacionados à mulheres jovens.

Em conclusão, a igualdade de género é uma questão de direitos humanos, uma condição de justiça social e um requisito necessário e fundamental para a equidade, desenvolvimento e paz.

Fui seleccionada como Embaixadora da Creative Tracks (um projecto co-financiado pela União Européia) e sou membro da She Leads Africa (uma organização de liderança feminina africana). Adicionalmente certificada pelo Banco Barclays no Programa Ready to Work, tendo desenvolvido habilidades empresariais, laborais e interpessoais, para além de ser integrante da YALI Network (Young African Leadership Initiative) do Presidente Barack Obama, tendo participação activa e conclusão de cursos online relacionados ao Empreendedorismo.

Moderadora do painel do MOZEFO Young Leaders (Grupo Soico) sobre Diplamacia Económica, Novos Negócios e Juventude, tendo como orador o Antigo Vice-Primeiro Ministro de Portugal, Paulo Portas, pude também intervir nos restantes painéis da 2ª edição do MOZEFO (Grupo Soico) diante do ícone da igualdade do género (Graça Machel), da Antiga Primeira-Ministra de Moçambique (Luísa Diogo) e do Antigo Primeiro-Ministro de Cabo Verde (José Maria Neves).

E, por fim, convidada a Associate Fellow pela Royal Commonwealth Society como representante pela advocacia e materialização de interesses sociais a nível de Moçambique, no âmbito do Programa da Rainha da Inglaterra para Líderes Africanos em finais de 2017 e mais recentemente, como membro da ONU Mulheres Moçambique e da Comunidade de Jovens Empreendedoras Lionesses of Africa.

#2 O que lhe motivou a seguir a carreira de empreendedorismo?

A minha iniciativa empresarial como empreendedora começou desde a infância. Sempre tive uma força interna que me movia a fazer as coisas acontecer, que me dava este ânimo, flexibilidade e dinamismo para correr atrás dos meus ideiais e concretizar os meus objectivos, transformando-os em realidade. Concretamente, falando da minha empresa, a MNJ Eventos & Serviços surgiu em Dezembro de 2016 numa fase muita crítica na minha vida. Passava por momentos difíceis e a minha predisposição e persistência ao querer superar foi a chave para o surgimento da mesma.

Na busca de energias e forças para ultrapassar os momentos difíceis, elaborei uma lista que arrolasse as minhas qualidades e, junto da minha personalidade activa e forte, aliei o útil ao agradável e decidi investir no ramo da comunicação como Mestre de Cerimónias, Mediadora de eventos e Assessora Matrimonial, actividades que eu desempenho sem tamanho esforço (devido à eloquência nata) e que também me desse espaço para prosseguir com os estudos sem interrupções. Fui desenvolvendo cada vez mais as minhas habilidades nesta área comunicativa (dado que a minha formação é em Economia), criando networks com os mais experientes da matéria, divulgando o meu trabalho e expandindo o meu circuito de influências.

#3 O que é ser um empreendedor para si?

Dando uma resposta a título pessoal, primeiramente sou de dizer que eu já tinha características natas de uma empreendedora, mas estavam adormecidas. As dificudades que tive de enfrentar no final de 2016 foram o trampolim que eu precisava para perceber o quanto eu era capaz de ir além e afirmar-me empreendedora. É por todos sabido que o crescimento e desenvolvimento pessoal, segundo Freud, vem de algum choque que tenhamos tido em algum momento das nossas vidas. São as grandes mexidas que nos erguem, que nos elevam, se soubermos (é claro) aproveitá-las positivamente para a edificação do nosso próprio ser.

Além da personalidade forte e características natas para uma potencial empreendedora (garra, pujança, firmeza, foco, determinação, persistência, flexibilidade, criatividade, entre outras), sempre fui observadora e tinha como referências algumas pessoas que me inspiravam e me inspiram até hoje pelos seus trajectos de vida e forma de conquistar as coisas.

Enfim, posso dizer que o momento em que realmente dei por mim e comecei a conhecer-me mais e descobrir-me como pessoa, ou seja, a fase do autoconhecimento em que identifiquei por consciência individual as minhas próprias forças e fraquezas, ameaças e oportunidades, limites e excessos, foi o que realmente  moveu e enalteceu a minha figura descobrir-se, criar a iniciativa e lançar-se para o mundo.

#4 Fale-nos da sua empresa. Como é que se chama? Em que área é que opera? E o que faz?

A MNJ Eventos & Serviços é uma empresa de comunicação, vocacionada para a mediação de eventos e prestação de serviços correlacionados, nomeadamente:

  • Mestre de Cerimónias;
  • Mediadora de Eventos;
  • Assessora Matrimonial;
  • Promoção e Organização de Eventos;
  • Painelista em Programas de Televisão;
  • Assessora de Comunicação, entre outros.

Como visão procura ser uma marca de referência e excelência no mercado, dotados do espírito de liderança, inovação e proactividade, com forte ímpeto para atender com originalidade às necessidades  e expectativas dos clientes, oferecendo produtos únicos e de alta qualidade, com compromisso de apefeiçoamento contínuo dos serviços, desenvolvimento sustentável e rentabilidade nos negócios.

#5 Como é que consegue angariar novos clientes?

Através do networking (investindo nas redes de contactos e/ou influências, eventos); publicidades em redes sociais, criatividade e diferencial na prestação de serviços.

O diferencial reside em:

  • Elegância, Exclusividade e Classe.
  • Espírito empreendedor.
  • Energia criativa: paixão pelas actividades desenvolvidas.
  • Liberdade de acção. 

#6 Como encara a concorrência?

De forma tranquila, prezando sempre e em primeira instância pela qualidade e diversificação  em tempo recorde na satisfação dos clientes.

 #7 Quais são os desafios do empreendedor em Moçambique?

Temos grandes desafios:

  • Um deles, senão o maior, é a educação. Um país sem educação é um país sem pernas para andar. O índice de analfabetismo e o acesso à educação de qualidade é um assunto extremamente sensível e deve ser levado em consideração com mais relevância do que já se tem.
  • Um outro desafio, que posso considerar problema ou entrave, é que se acredita que os recursos naturais (gás, hidrocarbonetos, minerais, entre outros) trarão riqueza ao país, enquanto a quota-parte moçambicana é ínfima aos rios de lucro que as empresas exploradoras estrangeiras extraem de nós, pela ausência também de infraestruturas de qualidade.
  • O alto índice de corrupção é também um factor pertubador. Apela-se ao crescimento e ao desenvolvimento, mas pouco se reflectem as verbas advindas da fraca produção moçambicana e da contrapartida que se tem pela exploração dos nossos recursos. Acredita-se que hajam desvios de fundos, em detrimento do bem-estar social. Por isso, regista-se sim um crescimento, porém não sustentável pois não se reflecte na melhoria dos padrões de vida dos moçambicanos.
  • Existem mais desafios, mas os cruciais já foram acima arrolados. Por isso, apela-se cada vez mais a emergência de empreendedores criativos, com vista a ultrapassarmos estes entraves, criando diversificação na produção, maior competitividade e incremento da capacidade produtiva moçambicana.

#8 Será que vale a pena ser empreendedor no nosso país?

Vale sim! A meu ver, a juventude pode contribuir para o desenvolvimento do país em vários moldes, com enfoque para o empreendedorismo.

O empreendedorismo, aliado à uma vida académico-profissional qualificada, é de grande valia, na medida em que criará sinergias e valor agregado por meio da adopção de novas ferramentas, novas formas de ser e estar e desenvolverá novas habilidades para melhor servir o mercado e prestar serviços de alta qualidade, através de capacitações, networking e interacção com os demais.

Estando a exercer como empreendedor ou trabalhador jovem as suas funções no mercado, com mais eficiência, estar-se-á apto a ajudar o próximo, a desenvolver o potencial dos stakeholders, a incrementar o ecossistema empresarial (dado os recursos produtivos que o país apresenta), acrescentando valor à economia e contribuindo para a melhoria do bem-estar social.

Economicamente, através do aumento da capacidade produtiva do país pelo aumento do produto interno bruto-PIB, oferecendo qualidade em tempo recorde na prestação de diversos serviços, nomeadamente: melhoria da assistência social, médica e medicamentosa, educação, infraestruturas, entre outras.

Especificamente, com a expansão do ramo empresarial, poderão ser criados postos de trabalho para toda a população activa, com vista não só a aquisição de experiência ─learning by doing─desenvolvendo habilidades, como também beneficiando as suas famílias com o melhor que honestamente se pode dar na educação, saúde, alimentação, proporcionando-lhes satisfação e, por conseguinte, bem-estar, facto que de certa forma reduz a mendicidade e o índice de criminalidade a nível comunitário, regional e internacional.

#9 Quais são os maiores desafios que a sua empresa enfrenta no seu dia-a-dia?

Até então, o desafio maior é a falta de confiança que se tem de uma jovem empreendedora de apenas 21 anos estar a mover uma empresa de comunicação a passos acelerados, vistos pela envergadura dos eventos que tem mediado.

#10 Quais são os planos da sua empresa para o futuro?

Os planos da MNJ Eventos & Serviços e da MNJ Corporate não fogem da sua missão, a saber:

* Liderar, com classe e distinção, o mercado de eventos e serviços a nível nacional e internacional.

* Ter reconhecimento, por mérito, na maximização de valor para os clientes e parceiros.

#11 Qual é a chave do sucesso?

1) Acreditar em nós mesmos e tornar as nossas fraquezas em pontos fortes.

2)  Investir no capital humano.

3)  Ir à labuta.

#12 Que conselho tem para os jovens?

Apostem na educação. Sempre!

Que a camada juvenil esteja inteiramente engajada no processo de participação do desenvolvimento do nosso país (Moçambique) e que tenha maior e melhor consciência da sua real importância como aspirantes líderes, revolucionários e a força motriz para a edificação de um futuro promissor condigno e inclusivo.

#13 Últimas Palavras

JUVENTUDE, assumamos o nosso papel como agentes dinamizadores da Nação e como impulso para um crescimento económico acelerado e um desenvolvimento económico sustentável.

Similar Posts

3 Comments

  1. Na verdade eu tenho um potencial muito grande dentro de me.
    com essas palavras nao saira mais da minha cabeca.

    JUVENTUDE, assumamos o nosso papel como agentes dinamizadores da Nação e como impulso para um crescimento económico acelerado e um desenvolvimento económico sustentável.

  2. És uma uma mulher lutadora cheia de energia, mulher batalhadora e trabalhadora cheio de garras desejo ti muitas bênção, felicidade e saúde pra continuar a ser quem és hoje mulher empreendedora contínuo com essa inspiração k tem de cuidar e dar seu máximo pra poder gerir uma empresa como uma empreendedora muita e muita força ai k Deus o abençoem a sua vida e seus obstáculos e k consiga alçancar seus objectivos parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.